3 Vestindo o seu Poder: Benefícios da meditação

quinta-feira, 13 de março de 2014

Benefícios da meditação


Quero escrever rapidamente hoje sobre alguns dos benefícios da meditação comprovados pela ciência. Não é o meu objetivo escrever muito sobre estes temas porque sou apenas uma praticante e não tenho conhecimentos profundos e científicos sobre isto, e também porque existem hoje milhares de sites onde se pode tirar estas informações, portanto o que eu escrever dificilmente será algo novo. Então prefiro dar outro foco ao blog, um foco que eu julgo menos teórico e mais prático, através das mensagens de livros, poemas, músicas, contos zen e pequenas reflexões, além de citar outras filosofias e práticas alternativas.

Logo, logo vou colocar uma opção com vários links de estudos científicos sobre o assunto a quem possa interessar uma pesquisa mais ampla. Fiquem atentos. (links de pesquisa sobre a meditação)

********************
As grandes religiões orientais já sabem há milhares de anos os benefícios da meditação, mas só nas últimas décadas que a ciência e a medicina ocidental começaram a estudar seus benefícios em todo o organismo.

Em 2005 através de imagens de ressonância magnética houve a primeira evidencia de que a meditação provoca alterações na estrutura do cérebro

Estudos já conseguiram provar que a meditação diminui os batimentos cardíacos e o ritmo da respiração, diminui o metabolismo, reduz a pressão sanguínea, aumenta a temperatura corporal periférica, provoca relaxamento muscular, aumenta a atenção e concentração, aumenta as atividades cerebrais relacionadas ao armazenamento de memória e às de coordenação motora. As áreas do cérebro responsáveis pela memória e pela atenção chegam a ficar mais densas quando se medita.

Alguns benefícios da meditação

Uma pessoa em estado de meditação consome seis vezes menos oxigênio do que quando está dormindo. Quanto mais profundo o estado de relaxamento, menor a produção dos hormônios de stress, e esse efeito não dura apenas enquanto ocorrer a prática meditativa. Após oito semanas de prática de meditação os participantes de uma pesquisa tiveram redução da densidade da massa cinzenta da amígdala, que é a responsável pela resposta automática ao stress. Proporcionalmente quanto menor o stress, maior a redução. O praticante de meditação fica menos alerta diante de um estimulo de stress, com maior capacidade de tomar decisões estratégicas. A resposta automática ao stress — gritar, correr diante do perigo —  de uma pessoa sem tal controle confunde o cérebro, rompendo com a habilidade de pensar claramente e tomar decisões.

Em 2010 pesquisas revelaram que as pessoas que meditavam tinham respostas menores para a dor, sentindo-as, mas cortando o processo rapidamente, pois essas pessoas têm a capacidade de desligar algumas áreas cerebrais responsáveis pela sensação da dor. Também pesquisas constataram aumentos significativos no fluxo sanguíneo em indivíduos com perda de memória.

Meditar é útil para reduzir em 47% as chances de ataque cardíaco e infarto em adultos. Pesquisas revelaram que a quantidade de acumulo de gordura nas artérias de pessoas com pressão alta diminuiu após meditarem 20 minutos, duas vezes por dia.

Técnicas de relaxamento profundo, colocadas em prática durante o dia, podem melhorar a quantidade e a qualidade do sono. A meditação também consegue provocar melhoras nos casos de depressão. Como a quantidade de conexões cerebrais está relacionada diretamente à saúde mental, a meditação funciona como um exercício para a mente, fortalecendo-a. Em 2011 descobriu-se que a meditação aumenta o hipocampo, uma região do cérebro responsável pelo aprendizado e pela memória, e associada ao bem-estar e compaixão. Outras pesquisas também mostraram que após um mês de prática os participantes relataram estarem mais calmos, mais relaxados, equilibrados, mostrando que a meditação pode ser útil na redução da ansiedade.

O hábito de meditar mostrou em pesquisas que provoca uma resistência 18% maior à dor. As pessoas que meditam precisam menos de analgésicos. A resistência é maior nos casos e em que o stress influencia diretamente no nível de dor — artrite por exemplo.
As práticas meditativas também têm influencia direta na maior produção de anticorpos, portanto o sistema imunológico é favorecido. 


Esses são apenas alguns dos motivos positivos para se começar hoje mesmo a fazer meditação. Para quem tem dúvidas de como praticar, onde, horários, posturas, e afins, vou escrever em breve sobre algumas dicas. Por agora basta você procurar uma posição relaxada sentada ou deitada, onde a coluna fique ereta e não haja a possibilidade de dormir. Relaxe, afaste as preocupações, as tensões, se descontraia e respire profunda e calmamente por alguns minutos. Fique nessa posição o tempo que você julgar necessário, você sentirá tranqüilidade e renovação quando voltar a si, pode apostar.