3 Vestindo o seu Poder: Maio 2014

terça-feira, 27 de maio de 2014

Antiga Benção Celta


Que o caminho venha ao teu encontro.
Que o vento sempre sopre às tuas costas e a chuva caia suave sobre teus campos. E até que voltemos a nos encontrar, que Deus te sustente suavemente na palma de sua mão. e que sempre possas viver plenamente.
Lembra sempre de esquecer as coisas que te entristeceram, porém nunca esqueças de lembrar aquelas que te alegraram.
Lembra sempre de esquecer os amigos que se revelaram falsos, porém nunca esqueças de lembrar aqueles que permaneceram fiéis.
Lembra sempre de esquecer os problemas que já passaram, porém nunca esqueças de lembrar as bênçãos de cada dia.
Que o dia mais triste de teu futuro não seja pior que o dia mais feliz de teu passado.

Que o teto nunca caia sobre ti e que os amigos reunidos debaixo dele nunca partam.
Que sempre tenhas palavras cálidas em um anoitecer frio, uma lua cheia em uma noite escura, e que o caminho sempre se abra à tua porta.
Que vivas cem anos, com um ano extra para arrepender-te. Que o Senhor te guarde em sua mão, e não aperte muito seus dedos.
Que teus vizinhos te respeitem, os problemas te abandonem, os anjos te protejam, e o céu te acolha. E que a sorte das colinas Celtas te abrace. Que as bênçãos de São Patrício te contemplem.
Que teus bolsos estejam pesados e teu coração leve. Que a boa sorte te persiga, e a cada dia e cada noite tenhas muros contra o vento, um teto para a chuva, bebidas junto ao fogo, risadas que consolem aqueles a quem amas, e que teu coração se preencha com tudo o que desejas.
Que Deus esteja contigo e te abençoe, que vejas os filhos de teus filhos, que o infortúnio te seja breve e te deixe rico de bênçãos.
Que não conheças nada além da felicidade, deste dia em diante. Que Deus te conceda muitos anos de vida; com certeza Ele sabe que a terra não tem anjos suficientes ...e assim seja a cada ano, para sempre!

quarta-feira, 21 de maio de 2014

Boa postura


Meu instrutor de meditação quase sempre começa nossas práticas meditativas dizendo “...coluna ereta, maxilar solto...” e durante aqueles momentos de práticas nós conseguimos nos manter com a coluna ereta. Mas, pelo menos eu, não demoro a descambar minha postura correta para uma postura “torta” de ombros caídos para frente. Em pé ou sentada meu corpo acostumou-se, muito mal. Passar mais de 8 horas por dia trabalhando no computador acho que contribuiu um pouco.

Muita disciplina e foco me esperam para consertar isso, o que resta é acreditar que há tempo para consertar.

Encontrei um artigo interessante da psicóloga e monja iogue Susan Andrews, que coordena a ecovila Parque Ecológico Visão Futuro, sobre a importância da boa postura e o transmito logo abaixo. Tomara que me ajude e quem passar pela mesma situação.

Manter a espinha ereta para uma mente quieta

Com um amigo meu costuma dizer: “ Você não tem uma segunda chance para causar uma primeira boa impressão”. De acordo com especialista, você tem no máximo 30 segundos – algumas calculam somente cinco – de interação com estranhos antes que eles formem uma opinião a seu respeito. E, de todos os fatores envolvidos num encontro desses –trajes, expressão facial, asseio – um dos mais importantes é a sua postura.

A postura nos diz, de forma mais eloqüente que as palavras, o estado interior da pessoa, sua auto-confiança, sua determinação, seu vigor. Ela não é apenas a linguagem não-verbal da liderança, mas um importante elemento em nossa própria sensação de identidade. Infelizmente, para muitas pessoas que chegam à faixa dos 30 anos, horas a fio debruçadas sobre suas mesas de trabalho têm levado a ombros arredondados e colunas encurvadas. Para compensar essa posição imprópria, a região lombar também se arqueia, projetando a pélvis à frente. Dia após dia, essa condição provoca tensão muscular e uma indevida pressão nas articulações, causando dores nas costas e enxaqueca, redução de sangue oxigenado no cérebro, crescente fadiga e até depressão.

Numa charge do Snoopy, o personagem Charlie Brown, com sua cabeça pendendo sobre o peito, diz a Lucy: “Esta é a minha postura deprimida. Quando você está deprimido, sua postura faz muita diferença”. Então, ergue a cabeça para o céu e continua: “A pior coisa que você pode fazer é ficar ereto e manter a cabeça erguida, porque aí você começa a se sentir melhor”. Ele abaixa a cabeça, encurva as costas novamente e conclui: “Se você quiser obter qualquer prazer ao estar deprimido, você tem de ficar assim”

Charlie Brown estava certo. Manter os ombros arredondados à frente, as costas encurvadas, o peito comprimido e a cabeça abaixada, como se você estivesse com o peso do mundo sobre os ombros, reforça a depressão. Na semana passada, após uma aula de exercícios posturais, uma das pacientes depressivas que estamos tratando comentou: “Quando ficava deprimida, com meu peito para dentro e minha cabeça pendendo para baixo, não conseguia respirar direito. Sofria pela falta de ar. Estou me sentindo outra pessoa agora”. Um estudo relatado na revista médica britânicaThe Lancet, envolvendo pacientes maníaco-depressivos sob medicação por anos, verificou que, quando eles foram treinados a se manter eretos, com a cabeça erguida e respirando profundamente, a meditação não era mais necessária.

Ficar de pé com postura correta e respirar profundamente pode aliviar a depressão.

A boa notícia é que a maioria das pessoas pode mudar sua postura e transformar sua aparência e seu astral. Se você quiser checar seu alinhamento corporal, tente o “Teste da Porta”. Fique de pé, com suas costas contra uma porta. Seus calcanhares, costas, panturrilhas, glúteos, a parte superior das costas e sua cabeça deveriam tocar confortavelmente a porta. Agora, se você precisar forçar para fazer contato, então provavelmente tem algum desvio.

Sempre que você reparar em sua postura se deteriorando e sua respiração ficando restrita, abra o peito e mantenha o queixo erguido. Os fisioterapeutas dispõem de boas técnicas para treinamento postural, mas existe uma pequena dica útil para qualquer um. Fique de pé ereto, gire seus ombros para trás e dê algumas longas e profundas respiradas. IImagine que um fio dourado está amarrado na coroa de sua cabeça, puxando você para cima. Sinta que seus pés estão enraizados no chão, como a base de uma montanha, e sua cabeça está acima das nuvens, alcançando seu ideal. Tente imaginar isso sempre que possível – de pé, ao caminhar, sentado na cadeira – e também olhe para si mesmo no espelho. Quando a boa postura se torna um hábito, você estará prestes a descobrir a influencia da graça corporal em sua harmonia emocional. Como diz a canção Serra do Luar”, de Walter Franco: “Tudo é uma questão de manter a mente quieta, a espinha ereta e o coração tranqüilo”. 
 

sexta-feira, 16 de maio de 2014

O Poder do Agora, Libertando-se da infelicidade


Você não está satisfeito com as atividades que desempenha? Talvez não goste de seu trabalho ou tenha se aborrecido por ter concordado em fazer alguma coisa, embora parte de você não goste e ofereça resistência. Tem algum ressentimento oculto em relação a alguém próximo a você? Percebe que a energia que você desprende por conta disso tem efeitos tão prejudiciais que você está contaminando a si mesmo e aos que estão ao seu redor? Dê uma boa olhada dentro de você. Existe algum leve traço de ressentimento ou má vontade? Se existe, observe-o, tanto no nível mental quanto no emocional. Que tipos de pensamento a sua mente está criando em torno dessa situação? Depois, observe a sua emoção, que é a reação do corpo a esses pensamentos. Sinta a emoção. Ela lhe parece agradável ou não? É uma energia que você escolheria para ter dentro de você? Você tem escolha?
Talvez a atividade seja tediosa, ou alguém próximo a você seja desonesto, irritante ou inconsciente, mas tudo isso é irrelevante. Não faz a menor diferença se os seus pensamentos e emoções a respeito da situação tenham ou não uma justificativa. O fato é que você está resistindo ao que é. Está transformando o momento atual num inimigo. Está criando infelicidade, um conflito entre o interior e o exterior. A sua infelicidade está poluindo não só o seu próprio ser interior e daqueles à sua volta, como também a psique coletiva humana, da qual você é uma parte inseparável. A poluição do planeta é apenas um reflexo externo de uma poluição interior psíquica gerada por milhões de indivíduos inconscientes, sem a menor responsabilidade pelos espaços que trazem dentro de si.
Você pode parar de executar a tarefa que está lhe causando insatisfação, falar com a pessoa envolvida e expressar todos os seus sentimentos, ou livrar-se da negatividade que a sua mente criou em volta da situação e que não serve a nenhum propósito, exceto o de fortalecer um falso sentido do eu interior. É importante reconhecer essa inutilidade. A negatividade nunca é o melhor caminho para lidar com qualquer situação. Na verdade, na maior parte dos casos, ela nos paralisa, bloqueando qualquer mudança verdadeira. Qualquer coisa feita com uma energia negativa será contaminada por ela e dará origem a mais sofrimento. Além disso, qualquer estado interior negativo é contagioso, pois a infelicidade se espalha mais rapidamente do que uma doença física. Pela lei da ressonância, ela detona e alimenta a negatividade latente nos outros, a menos que sejam imunes, quer dizer, altamente conscientes.

Você está poluindo o mundo ou limpando a sujeira? Você é responsável pelo seu espaço interior, da mesma forma que é responsável pelo planeta. Assim no interior, assim no exterior: se os seres humanos limparem a poluição interior, deixarão então de criar a poluição externa.

Livro O Poder do Agora, Eckhart Tolle

quinta-feira, 8 de maio de 2014

Medo

Você sabe de que você tem medo? Você conhece as causas e como sanar o seu medo?

Dêem uma olhadinha no vídeo  de um amigo que fala um pouquinho sobre o assunto.


segunda-feira, 5 de maio de 2014

Obstáculos à meditação

Que meditar traz grandes benefícios à saúde e melhor qualidade de vida, quase todo mundo já sabe.  O que muita gente ainda acredita é que seja difícil meditar, que seja tarefa para poucas pessoas, que seja necessário estar ligado às religiões e filosofias orientais para a prática da meditação. Esses condicionamentos são na verdade obstáculos impostos pela mente inconsciente e/ou consciente, que impedem a pessoa de tentar uma nova experiência.
Mas quem já pratica a meditação há algum tempo também tem obstáculos com os quais lidar. A pessoa pode enumerar os mais variados possíveis: falta de tempo, falta de um lugar apropriado, falta de conhecimento adequado para praticar sozinho, preocupação com opinião alheia etc...
O texto abaixo enumera quatro grandes obstáculos à meditação. Apenas esteja atento(a) a eles, mas não se deixe desanimar e que eles não sejam desculpas para dificultar a sua prática.

Quatro grandes obstáculos à meditação:

1. A tendência para adormecer
2. A agitação e vaguear da mente
3 .Latências inconscientes da mente
4. Tendência para usufruir a quietude

1. O sono
O sono é um dos maiores obstáculos à meditação. A meditação é o momento em que muitos dormem e alguns ressonam.  O sono é, regra geral causado por cansaço físico ou mental. Deve-se por isso, preparar a meditação com descanso suficiente. O que se faz antes da meditação assume um papel determinante no evitar do sono.
Seguem algumas sugestões para evitar o sono ( seguindo a indicação do Swami Paramarthananda) :
·         Medite depois de tomar banho ou pelo menos depois de lavar o rosto e as mãos.
·         Medite quando o estômago não estiver demasiado cheio ou vazio.
·         Escolha um momento em que a mente esteja alerta.
·         Faça auto-sugestões, como por exemplo: “ Permaneço acordado e alerta”.
·         Não medite quando existe um déficit de sono.
·         Inicialmente faça sessões curtas de meditação de 15 a 20 minutos (eu diria que podem ser até menos que isso, se for dificil).

2. A agitação e o vaguear da mente
A mente tem uma tendência a se dispersar seja por objetos externos, que os sentidos reportam mas que deve ser evitada pelos primeiros passos na meditação, e por impressões internas. Em ambos os casos o exercício do desapego em relação ao que é percebido e do conhecimento assimilados devem-se fazer presente.
Meditar impõe um estado alerta, desperto e não um deixar-se levar.

3. Latências inconscientes da mente
Durante a meditação quando a mente encontra uma relativa quietude, as memórias, pensamentos e experiências não digeridas e expressas que se acumularam no inconsciente, emergem e manifestam-se podendo perturbar a meditação.
Entenda esses pensamentos que surgem como sendo do inconsciente e deixe-os passar sem resistência. Acolha-os reconhecendo que eles não tinham sido processados até então e agora são expressados, mas mantenha-se como uma simples testemunha.
Suprimir emoções e sentimentos é desaconselhável, pois esta pressão aparece como um obstáculo.

4. Usufruir a quietude e felicidade
A felicidade que o praticante tem enquanto tenta concentrar a sua mente, ele não deve usufruir, porque ele não deve se apegar àquele estado. Ele deve tornar-se um não apegado, a mente deve atingir o estado de equilíbrio, livre de atração pelo deleite. A idéia é que deve ser feita atingir a sua verdadeira natureza de consciência apenas.

Por Miguel Homem  originalmente em www.dharmabindu.com


sábado, 3 de maio de 2014

Meditação diária


Na infinidade da vida onde estou tudo é perfeito, pleno e completo.
Eu me amparo e a vida me ampara.
Vejo provas da Lei atuando em torno de mim e em todas as áreas de minha vida.
Reforço o que aprendo da maneira mais alegre que encontro.
Meu dia começa com gratidão e alegria.
Espero com ansiedade e entusiasmo as aventuras do dia, sabendo que em minha vida "Tudo é bom".
Amo quem sou e tudo o que faço.
Sou a viva, amorosa e alegre expressão da vida.

Tudo está bem no meu mundo.

(Louise Hay)