3 Vestindo o seu Poder: Setembro 2013

sábado, 28 de setembro de 2013

Tai Chi Chuan




Confesso: toda vez que vejo uma pratica de Tai Chi Chuan, eu babo. Vontade de aprender o método não me falta, assim como também não faltam as desculpas que adiam e adiam esse momento. Já experimentei algumas aulas há alguns anos atrás, mas acho que aquele não era o tempo certo, talvez por isso não deu.
O Tai Chi Chuan é uma arte marcial para defesa e também meditação em movimento para promover saúde, longevidade e conscientização cósmica, originada na China com bases na filosofia taoista e alquimia chinesa, por volta do ano 1200.
Envolve movimentos lentos, suaves e silenciosos que facilitam a livre circulação da energia através do corpo, promovendo o desbloqueio dos meridianos e dos canais de energia que possam estar deficientes, mantendo assim, a saúde e curando doenças ocasionais e crônicas.
Na milenar filosofia chinesa os princípios do yin e yang os cinco elementos, o Ba Gua (oito trigramas), o Livro das Mutações (I Ching) regem os princípios básicos dos movimentos  físicos e energéticos do Tai Chi Chuan. Assim como a observação dos ciclos da natureza, dos animais e na interação dos elementos naturais. Esses princípios orientam a vencer o movimento através da quietude; vencer a dureza através da suavidade e vencer o rápido através do lento.
O Tai chi Chuan usa a gravidade para enraizar a parte de baixo e a graça para é feito de forma suave, com relaxamento e sem pressa e de forma lenta quando se movimenta a energia yin e de forma rápida quando se movimenta a energia yang
De acordo com estudos recentes realizados, de todas as artes terapêuticas, físicas e mentais, o Tai Chi Chuan é o mais suave e o mais fácil de ser aprendido. Seu poder de rejuvenescimento tanto físico como mental, tem sido comprovado, pois abaixa a pressão sanguínea, irriga as juntas, estimula a circulação, constrói os músculos e mobiliza o sistema imunológico. Ainda melhora a saúde cardiovascular e a forma das pessoas, além de aliviar os estados. A prática contínua e com frequência promove relaxamento, melhora o sono, a memória e o raciocínio, deixa a pele saudável e bonita

Os cinco maiores benefícios do método:
1 Desperta a energia e equilibra a pressão sanguínea: as técnicas respiratórias reduzem o estresse, diminuem a frequência cardíaca e aumentam o nível energético.
2Aumenta a capacidade de concentração: executando as formas dos movimentos, o praticante exercita a memória e aumentando a capacidade de executar as tarefas diárias com maior facilidade.
3Alonga os músculos e deixa as juntas flexíveis: os movimentos vagarosos e circulares diminuem a tensão e aumentam a resistência muscular e a flexibilidade das articulações.
4Melhora o equilíbrio e reduz o risco de quedas e acidentes: a pessoa aprende a girar o seu corpo vagarosamente e andar numa postura mais estreita, melhorando o equilíbrio e diminuindo consideravelmente as chances de cair ou se machucar.
5Melhora a circulação: a respiração profunda e os movimentos amplos revigoram os músculos e aumentam o fluxo sanguíneo. Isso permite que o oxigênio fresco circule com nutrientes através dos membros, alimentando as extremidades do corpo com mais energia. 

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Prece do Obrigado


Contos Zen: O arqueiro



"Quando o arqueiro atira por diversão, ele está de posse de toda sua habilidade. Quando você está brincando, não está tentando provar que você é alguém. Está à vontade, contente. Durante a brincadeira, apenas por diversão, você não está preocupado com o que os outros pensam de você.

Se você é sério, você sempre está num tumulto interior. Um santo está sempre brincando, como se atirasse por diversão. Ele não está interessado em atirar num alvo especifico, ele está apenas se divertindo.

Um filósofo alemão, Eugene Herrigel, foi ao Japão para aprender a meditar. No Japão eles usam todos os tipos de artifícios para ensinar meditação, incluindo o arco e a flecha. Herrigel era um arqueiro perfeito, acertava cem por cento. Nunca errava o alvo. Então ele procurou um mestre para aprender a meditar através do arco e flecha, porque ele já era hábil nisso.
Depois de três anos, Herrigel começou a sentir que aquilo era um desperdício de tempo, porque o mestre continuava insistindo que ele não deveria atirar. Ele dizia a Herrigel: "Deixe a flecha se lançar por si só. Você não deve estar presente quando aponta a flecha, deixe-a fazer ela mesma a pontaria.!

Era um absurdo. Para um ocidental em particular, era um completo absurdo:  " O que quer dizer com isso, deixar que a flecha se lance por si só? Como uma flecha pode se atirar por si só? Eu tenho que fazer alguma coisa." E ele continuava, e nunca errava o alvo
Mas o mestre dizia: " O alvo não é o alvo coisa nenhuma. VOCÊ é o alvo! Eu não estou vendo se você está atingindo o alvo ou não. Essa é  uma habilidade mecânica. Eu estou olhando para você, para ver se você está presente ou não. Atire para se divertir! Divirta-se, não tente provar que nunca perde o alvo. Não tente provar o ego. Ele já está lá, você está lá, não há necessidade de prová-lo. Fique à vontade e permita que a flecha atire a si mesma."

Herrigel não conseguia entender. Ele tentou e tentou e disse repetidas vezes: " Se minha pontaria é cem por cento correta, por que você não me dá o certificado?"
A mente ocidental está sempre interessada no resultado final e a oriental está sempre interessada no começo, não no final - no arqueiro, não no alvo. O resultado final não tem importância. Então o mestre dizia: " Não!"

Então, completamente decepcionado, Herrigel pediu para ir embora. Ele disse: " Então eu terei que ir. Três anos é muito, e não ganhei nada com isso e você continua dizendo não e continua dizendo que ainda sou o mesmo."

No dia em que estava para sair, ele tinha acabado de se despedir. O mestre estava ensinando outros discípulos. Naquela manhã, Herrigel não estava interessado em nada; ele estava partindo, tinha desistido de todo o projeto. Então, estava apenas esperando ali até que o mestre estivesse desocupado. Ele se despediria e iria embora.

Sentado em um banco, ele olhou para o mestre, pela primeira vez. Pela primeira vez em três anos ele olhou para o mestre. Na verdade ele não estava fazendo nada; era como se a flecha estivesse atirando a si mesma. O mestre não estava sério, ele estava brincando, ele estava se divertindo. Não havia ninguém interessado no alvo.

O ego é sempre orientado para o alvo. A diversão não tem meta a alcançar, o divertimento está no início, quando a flecha deixa o arco. Se ela dispara, isso é acidental; se atinge o alvo ou não, essa não é a questão. Mas, quando a flecha deixa o arco, o arqueiro deve estar brincando, se divertindo, sem se levar a sério. Quando está sério, você está tenso; quando não está sério, você está relaxado, você está presente. Quando você está tenso, o ego está presente, você está entorpecido.

Pela primeira vez Herrigel olhou - porque agora ele não estava estressado. Aquilo não era mais da conta dele, ele tinha desistido da coisa toda. Estava indo embora, então não havia mais porque levar tudo à sério. Ele tinha aceitado o seu fracasso, não havia nada para ser provado. Ele olhou, e pela primeira vez, seus olhos não estavam obcecados com o alvo. Ele olhou para o mestre e era como se a flecha estivesse atirando a si mesma do arco. O mestre estava só dando energia a ela, ele não estava atirando. Não estava fazendo nada, a coisa toda era feita sem esforço. Herrigel olhou e pela primeira vez entendeu o que significava.

Como que enfeitiçado, ele se aproximou do mestre, tomou o arco de sua mão e recuou a flecha. O mestre disse: " Você compreendeu. Isso é que eu tenho dito para você fazem três anos." A seta ainda não havia deixado o arco quando o mestre disse: " Concluído: O alvo foi atingido."
Agora ele estava se divertindo, ele não estava sério, ele não estava preocupado com o objetivo.

Quando você está atirando para se divertir, você não está em conflito. Não exitem dois, sua mente não vai a lugar algum. Sua mente não está indo - então você está inteiro. Então a habilidade está lá. (...) Todo o seu ser está disponível. E, quando todo o ser está disponível, você tem uma beleza, uma graça, uma qualidade totalmente diferente de ser. Quando você está dividido, sério, tenso, você é feio. Você pode ter sucesso, mas seu sucesso vai ser feio. Você pode provar para alguém que você é alguém, mas você não está provando nada, você está simplesmente criando uma imagem falsa. Mas, quando você é total, descontraído, inteiro, pode ser que ninguém conheça você, mas você é.

E essa totalidade é a benção, a bem-aventurança, a beatitude que acontece a uma mente meditativa, que acontece na meditação."
Osho, em O Barco Vazio