3 Vestindo o seu Poder: Namastê

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Namastê

Namastê é o cumprimento em sânscrito que literalmente significa "curvo-me perante a ti", e expressa um grande sentimento de respeito, invoca a percepção de que todos os indivíduos compartilham da mesma essência, da mesma energia, do mesmo universo, portanto o termo e a ação possuem uma força pacificadora muito intensa.

Utilizado na Índia e no Nepal por hindus, sikhs, jainistas e budistas. Nas culturas indianas e nepalesas, a palavra é dita no início de uma comunicação verbal ou escrita. Contudo, o gesto feito com as mãos dobradas é feito sem ser acompanhado de palavras quando se despede. No Ocidente a palavra Namastê geralmente é dita em conjunção com o gesto.

Alguns significados:
O Deus que habita em mim saúda o Deus que habita em você."
"O divino em mim cumprimenta o divino em você."
"Eu saúdo o Deus dentro de você."


Conhecido pelos budistas como Anjali Mudra, consiste no ato de pressionar as palmas das mãos ante o coração e os dedos apontando para cima, no centro do peito. Inclina-se levemente a cabeça, fecham-se os olhos, curva-se a coluna em sinal de respeito à divindade que está presente em todos os espaços do Universo. O trazer as mãos em direção ao chakra do coração aumenta o fluxo do amor Divino, e arquear a cabeça e fechar os olhos ajuda a mente a render-se ao Divino no coração.

Pode-se fazer o Namastê a si próprio como uma técnica de meditação para atingir profundamente o chakra do coração.

O sinal também pode ser feito levando às mãos em frente ao ponto do terceiro olho e flexionando a cabeça em direção às mãos de olhos fechados e, em seguida, levando às mãos em frente ao coração.

Os cinco dedos da mão esquerda representam os cinco sentidos do coração, enquanto os dedos da mão direita representam os cinco órgãos da razão. Significa que mente e coração devem estar em harmonia, para que nosso agir e pensar estejam de acordo com a Verdade.

O gesto reconhece a fé na força da vida, na divindade, o Ser ou Deus que em “mim” é igual em todos. Também é um reconhecimento da dualidade que existe no mundo, simbolizando a união das polaridades, esquerda e direita, bem e mal, e devemos nos esforçar para manter essas duas forças em equilíbrio.